Mind Hunter @ 19:32

Dom, 17/05/09

Sais daquela sala vazia, para entrares num quarto ainda mais vazio, e deitas-te numa cama vazia, a olhar para o vazio que te rodeia. E pensas. Pensas que está tudo vazio porque tu estás vazio.

Mas não estás, e tu sabes isso, tentas enganar-te a ti próprio, como se isso não magoasse tanto como o mal que os outros te fazem. Preferes fugir e pensar que ninguém te ama nem que amas ninguém, quando isso não é verdade.

Vazio? Tu? Não. Cheio. Cheio de amor. Cheio de cansaço. Cheio de esperança. Mas preferes escapar a estes pensamentos para pensares que estás vazio, que és livre por não sentires nada, apto para sentires algo novo.

Enfrenta a realidade e admite que há um sentimento em ti que te atormenta de tão poderoso que é!

Então, a tua consciência atinge-te e choras.

Finalmente consegues encarar a verdade, e concluis que tens de mudar a tua atitude, que vais parar de te refugiar em mentiras que crias para teres algum conforto, e que só acabam por te fazer sofrer ainda mais, por saberes que só te estás a enganar.

E o amor que habita em ti vem ao de cima, com uma força que nunca antes tinhas sentido, e vês com toda a clareza que a única saída é correres para ele em vez de fugires.

Estás cansado, é verdade, sofrer, fugir, iludires-te cansa. Mas também estás cheio de esperança que tudo mude. Talvez seja desta vez que consigas mudar tudo, que conduzas a tua vida para a felicidade que tanto ambicionas. Tu sabes qual é o caminho, mas o medo que tens de o seguir é tão grande...

E a tua alma vagueia, mas nem todos os que vagueiam andam perdidos, e tu não andas.



innes @ 23:54

Dom, 17/05/09

 

ena pá *o*
profundo...estou fã do blog ^^
**

Espécie de diário de 3 - Kátia, Filipa, Olga - adolescentes. Linguagem por vezes ordinária, muy drama, tiradas poéticas, desabafos, parvoíces, ilusões, queixas da vida, análises cuidadosas e centralizadas sobre factos da vida (ahahah), ou outra treta qualquer que nos apeteça postar / partilhar com o resto do mundo.

RSS